Manchas na pele: causas e tratamentos

Mais do que incomodar, manchas na pele podem ser sinais de doenças. Por isso, nada de camuflá-las com maquiagem e fingir que não existem. É preciso ir ao dermatologista para investigar as causas e, a partir delas, seguir a linha de tratamento mais indicada.

Ouça este conteúdo:

 

Uma coisa é certa: estejam no corpo ou no rosto, sejam marcas incômodas ou pintinhas charmosas, todas as manchas merecem atenção. Para entender melhor, acompanhe este artigo!

Principais tipos de manchas na pele

Alguns tipos de manchas têm causas definidas. Outras, como os melasmas, associam-se a diversos fatores. Veja as possíveis causas das pigmentações mais comuns:

Manchas decorrentes de acne

A acne é uma inflamação das glândulas sebáceas e dos folículos capilares. Entre suas origens, consideram-se:

  • alterações hormonais na puberdade;
  • situações de estresse;
  • uso de certos medicamentos;
  • limpeza excessiva e com produtos não adequados para o tipo de pele;
  • exposição exagerada ao sol, sem medidas de fotoproteção;
  • uso de cosméticos que aumentam a oleosidade etc.

Além das manchas, a inflamação da acne pode provocar cicatrizes e cistos (bem maiores do que as pústulas) na pele. Mexer nas lesões é o principal agravante. Portanto, para o tratamento funcionar, não esprema cravos ou espinhas.

Manchas de envelhecimento

O envelhecimento leva ao aparecimento de manchas castanhas, as quais surgem em maior ou menor quantidade de acordo com o estilo de vida de cada um. Na maioria das vezes, pioram com a radiação solar excessiva.

Há diversos tratamentos que melhoram o aspecto das peles fotoenvelhecidas, renovando as camadas da derme. Mas para evitar a piora do quadro, é preciso seguir as orientações do dermatologista.

Manchas escuras (melasma)

O melasma se caracteriza pelas manchas amarronzadas na face, colo, pescoço e braços. Associa-se, principalmente, a:

  • exposição ao sol sem proteção adequada;
  • fatores hormonais, decorrentes do uso de anticoncepcionais e até da gravidez;
  • exposição à luz visível (emitida pelas lâmpadas e telas de aparelhos eletrônicos).

Apesar da eficácia dos tratamentos, trata-se de uma condição recorrente. Por isso, o cuidado constante do paciente é a única forma de impedir que a pigmentação volte.

Manchas vermelhas (psoríase)

A psoríase provoca manchas espessas, avermelhadas e escamosas na pele. Também pode gerar manchas residuais (brancas ou escuras) pós-lesões. Apesar de não ter uma única causa, sua origem tem relação com:

  • sistema imunológico;
  • interações com o meio ambiente;
  • suscetibilidade genética.

É uma doença cíclica, cujos sintomas reaparecem periodicamente. Esse ciclo só é quebrado por meio do tratamento adequado, o qual costuma associar diferentes terapias a partir de um acompanhamento multidisciplinar com um dermatologista e um reumatologista.

Manchas brancas (vitiligo)

O vitiligo se caracteriza pela hipopigmentação (perda de coloração da pele). Entre suas causas, consideram-se:

  • doenças autoimunes;
  • histórico familiar;
  • traumas emocionais.

Apesar de não ter cura, existem excelentes terapêuticas para controlar a doença. Mas para a repigmentação completa, o comprometimento do paciente com o tratamento é essencial.

Tratamentos mais indicados

Os tratamentos variam de acordo com a origem das manchas na pele, bem como com o histórico clínico do paciente. Para combater manchas faciais e corporais, destacam-se:

  • microagulhamento: trata marcas de acne no rosto. Estimula a formação de colágeno e elastina, por meio da introdução das microagulhas e pode-se associar substâncias clareadoras e/ou antioxidantes que penetram nos micro-orifícios e têm sua ação potencializada;
  • cauterização da pele: melhora lesões superficiais na face e no corpo. Pode ser feita com ácido, nitrogênio líquido ou bisturi elétrico;
  • peeling químico: aplicação de ácidos que promovem a renovação celular e, consequentemente, o rejuvenescimento da pele do rosto e do corpo;
  • laser: aplicado de diversas formas, inclusive para tratar manchas e vasinhos por todo o corpo;
  • luz intensa pulsada: muito usado para combater manchas e marcas do envelhecimento, tanto na face como no corpo.

Dicas que ajudam a prevenir o problema

Para prevenir o aparecimento de manchas na pele, deve-se seguir as medidas de fotoproteção diariamente. É preciso passar protetor solar (com FPS 30 ou superior) corretamente, reaplicando conforme a necessidade.

Também é importante se alimentar de maneira saudável, beber bastante água e evitar álcool e tabaco. Na hora de fazer a higienização, cada pessoa deve usar produtos adequados para o seu tipo de pele. E antes de dormir, sempre tirar a maquiagem.

Por fim, no caso de acne, resista e não mexa nas lesões. Procure um dermatologista, para melhorar, em vez de agravar, as manchas na pele. Esses e outros problemas merecem ser investigados e tratados adequadamente. Afinal, sinais suspeitos, como manchas muito escuras, disformes e que apresentam crescimento, podem ser indícios de doenças (como o câncer de pele).

Se você se preocupa com a saúde e a estética da derme, aproveite para saber mais. Conheça nossa mais tratamentos para manchas corporais e manchas faciais!

Compartilhe nas suas redes!

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter

    Inscreva-se em nossa newsletter

    Receba mais informações sobre cuidados para a saúde em seu e-mail.

    Artigos relacionados:

    Manchas na pele: causas e tratamentos

    Mais do que incomodar, manchas na...

    Mantenha esses 5 cuidados básicos com a pele do seu rosto

    Pense rápido! A ideia de ser...

    3 passos essenciais para limpar a pele do rosto

    Limpar a pele do rosto deve ser...