Sinais na pele: quando é preciso se preocupar

Você sabia que, por meio da observação de alguns sinais na pele — principalmente, de pintas —, pode-se prevenir o aparecimento ou agravamento de doenças? Por isso, vale a pena aprender a interpretá-los.

Neste artigo, veja quais critérios devem ser considerados, ao menos em uma primeira análise, para determinar se, de fato, as marcas na pele são ou não perigosas. Munido dessas informações, avalie se é preciso ir imediatamente ao dermatologista ou se dá para aguardar até a próxima consulta de rotina.

Ouça este conteúdo:

Quais são os principais tipos de sinais na pele?

Por mais cuidado que se tenha, é normal a pele apresentar algumas manchas, lesões e outros sinais. Às vezes, no entanto, essas marcas podem indicar problemas de saúde. Por exemplo:

  • pintas: são consideradas normais quando são pequenas e monocromáticas, salientes ou não. Mas quando aparecem de uma hora para outra, com cores e texturas diferentes, bordas irregulares e crescimento perceptível, é preciso investigá-las;
  • manchas: se forem muito escuras e com mais de um tom, irregulares e apresentarem crescimento, podem indicar um melanoma (um dos tipos mais graves de câncer);
  • verrugas: são infecções nas camadas mais superficiais da pele, por conta do contato com o papilomavírus humano (HPV). Quando acometem a mucosa genital (verrugas anogenitais), são consideradas fator de risco para o câncer do colo do útero;
  • erupções: denunciam que algo no organismo não está bem. Podem tanto ser provocadas pela ingestão de alimentos ou medicamentos, contato com produtos químicos, uso de cosméticos, como decorrentes de problemas de pele (como adermatite atópica);
  • lesões: o sinal de alerta deve ser aceso quando não cicatrizam (sangram) e passam a crescer. A crosta central pode ser translúcida ou avermelhada, castanha, entre outros tons. Geralmente, as lesões preocupantes são elevadas.

Como funciona o método do ABCDE?

regra do ABCDE, da Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD), ajuda avaliar se os sinais na derme podem ser indícios decâncer de pele.

Assim, ainda que apenas por meio de um exame clínico e, se necessário, biópsia, seja possível afirmar, com certeza, se uma pinta é sintoma de algum problema, os sinais a seguir são indícios importantes. Pintas potencialmente malignas, geralmente, caracterizam-se por:

  • A, de assimetria (não arredondada);
  • B, de borda (irregular ou mal delimitada);
  • C, de cor (com vários tons);
  • D, de dimensão (superior a 6 mm);
  • E, de evolução (aumento de tamanho e mudança de cor).

Quais são os riscos da falta de cuidado com a pele e como se prevenir?

falta de cuidado com a pele pode levar a doenças graves, como o câncer de pele. Por isso, tome alguns cuidados:

  • faça o autoexame mensalmente, observando sua pele em um local bem iluminado e com a ajuda de dois espelhos (um de corpo inteiro e um de mão);
  • visite o dermatologista, no mínimo, uma vez por ano. Se tiver alguma dúvida em relação a marcas suspeitas, peça para o médico analisá-las;
  • siga as recomendações de fotoproteção (principalmente, usar filtro solar que proteja contra a radiação UVA e UVB) todos os dias e evite se expor ao sol entre 10 e 16 horas).

Além do autoexame, como uns podem ajudar os outros?

Existem partes do corpo difíceis de observar. É o caso das costas, do couro cabeludo, da planta dos pés e das unhas (principalmente quando vivem pintadas).

Por isso, em casa, é importante que um observe o outro. Já fora do lar, alguns profissionais, como manicures, cabeleireiros, esteticistas, podólogos e até tatuadores, devem comentar com seus clientes sempre que notarem marcas suspeitas.

No últimoCongresso Brasileiro de Cirurgia Dermatológica, podólogos e tatuadores foram ensinados a identificar sinais de melanoma — um tipo de carcinoma muito perigoso. A iniciativa do programaJuntos Contra o Melanoma visa conscientizar alguns nichos profissionais que podem ajudar na detecção inicial de doenças.

Como pintas podem aparecer em qualquer parte do corpo, inclusive nas unhas, plantas dos pés, nuca, entre outros locais difíceis de observar, enquanto trabalham, esses profissionais podem ajudar com informações para uma realizar diagnóstico precoce.

Por fim, ainda mais importante é criar o hábito de visitar o dermatologista regularmente. Em pacientes com muitas pintas, pode-se monitorá-las por meio do mapeamento corporal e dermatoscopia digital. Dessa forma é mais fácil notar o aparecimento de novas marcas ou alterações nas já existentes.

Como mostrado, esses cuidados são essenciais para evitar o agravamento de problemas de saúde mais sérios. Afinal, ainda que a maioria dos sinais na pele sejam inofensivos, a vigilância deve ser constante. Por isso, daqui para a frente fique alerta ao método ABCDE e ensine-o para os demais membros da sua família.

Ainda tem dúvidas? Em caso afirmativo, fale com a gente pelo nosso WhatsApp. Nossos especialistas estão prontos para ajudá-lo no que precisar!

Compartilhe nas suas redes!

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter

    Inscreva-se em nossa newsletter

    Receba mais informações sobre cuidados para a saúde em seu e-mail.

    Artigos relacionados:

    A alimentação pode interferir na recuperação da cirurgia?

    Entenda a influência dos hábitos alimentares...

    Cirurgia Plástica: é melhor operar no inverno?

    Veja quais são os benefícios de...

    Você sabe qual é a importância do RQE? A Academia da Pele te explica

    Entenda o que significa RQE, como...